GRU, CWB, GIG, MXP… Você sabe o que significam os códigos dos aeroportos?

GRU, GIG, MXP, EZE… Você que viaja já deve ter observado alguma dessas siglas ou outras parecidas. São sempre três letrinhas que representam cada aeroporto por onde passamos. Algumas das siglas

são facilmente entendidas devido à semelhança com o nome do local onde o aeroporto está localizado, mas outras são feitas por combinações e letras que não dizem muito a respeito do local ou do nome do aeroporto.

Estas siglas são denominadas no mundo da aviação de “Código IATA” (Associação Internacional de Transporte Aéreo) e cada aeroporto do mundo possui seu código próprio, o que podemos chamar de seu “apelido”, ou sua identidade única.

IATA
IATA – Associação Internacional de Transporte Aéreo / Imagem: www.iata.org

Pois bem, para os amantes da aviação e de aeroportos, o site airportacod.es dá uma bela detalhada em centenas de siglas de aeroportos pelo mundo (e alguns do Brasil), com a explicação das três letrinhas que tanto intrigam os viajantes.

Criada por dois webdesigners americanos apaixonados por aviação, a página reúne explicação sobre o nome de mais de 500 aeroportos em 94 países diferentes. E este número pode crescer, pois o espaço é aberto à colaboração dos internautas que tiverem dados para sugerir com suas devidas explicações.

SITE
Reprodução do site www.airportcod.es

Neste universo de letras e mais letras, temos as siglas mais fáceis e simples de serem entendidas, como BUD (Budapeste), VIE (Viena), REC (Recife), LIS (Lisboa), que por si só já explicam suas formações (iniciais dos nomes das cidades onde estão situados os aeroportos).

Outras siglas que utilizam as três primeiras letras do nome do local: LJU (Ljubljana, Eslovênia), ZAG (Zagreb, Croácia), IST (Istambul, Turquia), FOR (Fortaleza/CE), HEL (Helsinque, Finlândia) e outras várias.

LJU
Aeroporto Internacional de Ljubljana, código IATA LJU

Também temos as siglas consideradas “intermediárias”, tais como POA (POrto Alegre), formadas por iniciais e letras do meio do nome da cidade/local onde estão, ou até mesmo pelos próprios nomes dos aeroportos.

Alguns exemplos desta categoria são os aeroportos de ViraCoPos, em Campinas, cuja sigla é VCP, FLoriaNópolis, com o FLN, CoNFins, em Belo Horizonte, com a sigla CNF, AreQuiPa, no Peru, com a sigla AQP.

BSB
Aeroporto de Brasília/DF: BSB (BS de Brasília e B de Brasil)

Existem alguns aeroportos que fazem uma mistura de nomes para a formação do código IATA e até mesmo demonstram uma grande criatividade dos criadores da sigla. Temos como exemplo o Aeroporto Internacional de Tocumen, aeroporto panamenho bastante utilizado por brasileiros para conexões entre Brasil/Caribe e Estados Unidos, localizado na Cidade do Panamá. Seu código IATA é PTY, nada a ver com seu nome, dado por estar localizado às margens do Rio Tocumen. A sigla PTY é nada mais do que a junção de Panamá + CiTY.

Para quem já está mais antenado no meio virtual, não deve ser tão complicado decifrar algumas siglas, pois elas trazem misturas de letras iniciais dos locais com o código dos países como os códigos FIPS ¹ ou o ISO 3166-2 ², que são aquelas duas letrinhas que vemos depois do “.com” nos endereços da Internet, como o nosso “br”. Então, para um bom entendedor destes códigos dos países, não é um desafio monstro decifrar a sigla do Aeroporto Internacional de Santiago, no Chile. O SCL é fruto de nada mais nada menos que a junção da letra “S” de Santiago com o código do Chile, que é o “CL”.

scl
Foto: www.santiago-airport.com

Porém, como nem tudo é fácil nesta vida, existem as siglas que não dizem nada, absolutamente nada do lugar onde os aeroportos estão localizados. Podemos tomar como exemplo o Aeroporto Internacional de Podgorica, capital de Montenegro, nos Balcãs. A cidade da antiga República Socialista Federal da Iugoslávia (RSFY) já foi chamada de Titograd, durante os anos de 1946 a 1992, em homenagem ao líder iugoslavo Marechal Tito (Josip Broz Tito). Daí a sigla TGD, que nada tem a ver com Podgorica, mas que a história explica muito bem seu surgimento.

Outras siglas geram confusão, pois pensamos que estamos falando de um lugar, mas elas, na verdade, representam outros. É o caso de DUB, código IATA do Aeroporto de Dublin, na República da Irlanda, e não de Dubai, nos Emirados Árabes Unidos. Também gera confusão a sigla MED, que para nós sulamericanos, pode parecer óbvio, mas não é tanto. MED é a sigla do Aeroporto Princípe Mohammad bin Abdulaziz, em Medina, na Arábia Saudita, e não da cidade colombiana de Medellín (MDE), tão presente em nossas lembranças depois do ocorrido com a delegação da Chapecoense em novembro de 2016.

Acima falamos de Dubai, código IATA DXB. O “X” é uma espécie de letra coringa, quando só é usada para compor a sigla ou dar cara nova a siglas já utilizadas por outros aeroportos. Um exemplo famoso no mundo é o Aeroporto Internacional de Los Angeles, nos Estados Unidos, cujo código IATA é formado pelas iniciais e um “X” para compor as três letras, padrão mundial, criando o famoso “LAX”, visto em muitas fotos tiradas na parte externa do aeroporto norte-americano.

LAX
Imagem: Tripping Over The World – WordPress.com

Outro aeroporto que tem uma composição de código parecida com LAX é Riga, na Letônia. “RIX” identifica o maior aeroporto dos países bálticos e principal hub da região. Trata-se da junção das duas primeiras letras do nome da capital letã acrescido do “X” coringa.

RIX

Temos um exemplo de aeroporto brasileiro que utiliza não o “X”, mas sim o “W” para compor seu código: Curitiba. O aeroporto Internacional Afonso Pena é conhecido como “CWB” e não poderia mais usar a abreviatura CUR, pois este código IATA já pertence a Curaçao. Outra alternativa seria CUB, porém esta sigla já pertencia ao aeroporto de Columbia, nos Estados Unidos.

IMG_20170416_144128430

Já a letra “Y” passou a ser usada para designar alguns dos principais aeroportos do Canadá. Sabendo disso, os códigos YOW (Ottawa MacDonald-Cartier International Airport) e YQB (Aéoport International Jean-Lesage de Québec) não ficam tão incompreensíveis. Mas o que dizer da combinação YYZ, do Pearson International Airport, em Toronto?

Para mergulhar mais a fundo neste mundo das três letrinhas, decifrar enigmas e viajar sem sair do lugar, vale muito a pena visitar o site http://airportcod.es e se deliciar com as informações que estão disponíveis… e quem sabe até colaborar!

Abaixo listamos alguns códigos de aeroportos brasileiros e as cidades onde eles estão localizados.

AJU: Aeroporto Santa Maria, Aracaju (SE)
BEL: Aeroporto Val de Caes, Belém (PA)
BGX: Aeroporto de Bagé (RS)
BNU: Aeroporto de Blumenau (SC)
BPS: Aeroporto de Porto Seguro (BA)
BSB: Aeroporto Juscelino Kubitschek, Brasília (DF)
BVB: Aeroporto de Boa Vista RO)
CAC: Aeroporto de Cascavel (PR)
CFB: Aeroporto de Cabo Frio (RJ)
CGB: Aeroporto de Cuiabá (MT)
CGH: Aeroporto de Congonhas, São Paulo (SP)
CGR: Aeroporto de Campo Grande (MS)
CNF: Aeroporto de Confins, Belo Horizonte (MG)
CPV: Aeroporto João Suassuna, Campina Grande (PB)
CWB: Aeroporto Afonso Pena, Curitiba (PR)
CXJ: Aeroporto de Caxias do Sul (RS)
FLN: Aeroporto de Florianópolis (SC)
FOR: Aeroporto Pinto Martins, Fortaleza (CE)
GIG: Aeroporto do Galeão, Rio de Janeiro (RJ)
GPB: Aeroporto de Guarapuava (PR)
GRU: Aeroporto Franco Montoro, em Guarulhos, São Paulo (SP)
GYN: Aeroporto de Goiânia (GO)
IGU: Aeroporto das Cataratas, Foz do Iguaçu (PR)
IMP: Aeroporto Prefeito Renato Moreira, Imperatriz (MA)
IOS: Aeroporto de Ilhéus (BA)
JDO: Aeroporto do Cariri, Juazeiro do Norte (CE)
JOI: Aeroporto de Joinville (SC)
JPA: Aeroporto Pres. Castro Pinto, João Pessoa (PB)
LDB: Aerooporto de Londrina (PR)
LAJ: Aeroporto de Lages (RS)
MAO: Aeroporto Eduardo Gomes, Manaus (AM)
MCZ: Aeroporto Zumbi dos Palmares, Maceió (AL)
MGF: Aeroporto de Maringá (PR)
MVF: Aeroporto de Mossoró (RN)
NAT: Aeroporto Augusto Severo, Natal (RN)
PET: Aeroporto de Pelotas (RS)
PLU: Aeroporto da Pampulha, Belo Horizonte (MG)
PHB: Aeroporto de Parnaíba (PI)
PFB: Aeroporto de Passo Fundo (RS)
PMW: Aeroporto de Palmas (TO)
PNZ: Aeroporto de Petrolina (PE)
POA: Aeroporto Salgado Filho, Porto Alegre (RS)
REC: Aeroporto dos Guararapes, Recife (PE)
RIA: Aeroporto de Santa Maria (RS)
SDU: Aeroporto Santos Dumont, Rio de Janeiro (RJ)
SLZ: Aeroporto Marechal Cunha Machado, São Luis (MA)
SOD: Aeroporto de Sorocaba (SP)
SSA: Aeroporto de Salvador (BA)
THE: Aeroporto Senador Petrônio Portela, Teresina (PI)
VCP: Aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP)
UDI: Aeroporto de Uberlândia (MG)
VDC: Aeroporto de Vitória da Conquista (BA)
VIX: Aeroporto de Vitória (ES)
XAP: Aeroporto de Chapecó (SC)

¹Federal Information Processing Standards (FIPS) é um conjunto de normas públicas desenvolvidas pelo Governo dos Estados Unidos da América para uso por qualquer agência de governo não militar, e por empresas contratadas pelo governo.

²O ISO 3166-2 é a parte do padrão ISO 3166 publicada pela Organização Internacional para Padronização (ISO), e define códigos para os nomes dos principais subdivisões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *